Projeto Sindiplasc na Escola beneficia o Lar do Idoso de Xanxerê

0
1858
Portal Garagem – Em breve

Chapecó- Os 220 alunos das séries iniciais até o 9º ano do ensino fundamental do Colégio Dom Bosco arrecadaram 139 quilos de tampas de plástico que foram encaminhadas para reciclagem. A iniciativa surgiu por meio do projeto Sindiplasc na Escola, desenvolvido pelo Sindicato da Indústria do Material Plástico e Artefatos de Borrachas do Oeste Catarinense (Sindiplasc), em parceria com a Vice-Presidência Oeste da Federação das Indústrias do Estado de Santa Catarina (Fiesc), o Colégio Dom Bosco de Chapecó, empresas Alcaplas Indústria de Plásticos e Aurora Alimentos e a Associação Beneficente Sagrado Coração de Jesus – Lar do Idoso, de Xanxerê.

As turmas que mais arrecadaram tampas foram premiadas com ingressos para o cinema. Os vencedores foram o 6º ano (turma da manhã) com 13.740 quilos e o 1º ano (turma da tarde) com 21.280 quilos. O vice-presidente do Sindiplasc, Alceu Lorenzon, explicou que as tampas foram separadas em cores e o material foi transformado em resina. “Depois, comercializamos para indústrias de material plástico. A maior parte foi destinada para confecção de brinquedos”, expôs.

O valor angariado com a venda foi doado ao Lar do Idoso, que atende entre 23 e 25 idosos. “Toda ajuda é bem vinda e, nesse caso, muito importante devido ao trabalho sobre meio ambiente e solidariedade realizado com as crianças”, frisou Elisa Spagnol, integrante da diretoria da entidade.

A revelação dos vencedores e a entrega do cheque ao Lar do Idoso ocorreram na última quarta-feira (17), Dia Mundial da Reciclagem, quando também foram promovidas atividades com os alunos pela Turminha da Reciclagem e Roda de Leitura e Contação de Histórias da Fundação Aury Luiz Bonadese (FALB), mantida pela Aurora Alimentos. “Trabalhamos com contos populares. Percebemos nas crianças que estão atentas ao tema. Elas acreditam que conseguirão transformar o meio ambiente”, frisou a coordenadora de histórias da FALB, Eva Lenita Trierveiler.

A Turminha da Reciclagem abordou o tripé da sustentabilidade – econômico, social e ambiental – com foco na sensibilização. “Falamos sobre o gerenciamento dos resíduos sólidos e preservação dos recursos naturais. Os alunos conhecem e têm a prática da separação. Precisamos que eles sejam disseminadores da informação em casa e nas suas comunidades”, realçou a educadora ambiental da FALB, Darcinava Squena.

A preservação ambiental e a reciclagem já são temas abordados pelo colégio. A diretora, Annelise Schmidt, relatou que, neste ano, a escola apostou na organização da separação de materiais recicláveis. “Foram trabalhados textos e vídeos em sala de aula em todas as turmas. Temos as parcerias desde o ano passado e é muito importante, pois elas possibilitam atividades práticas, com as quais as crianças internalizam mais a compreensão e a mudança de atitude”, enfatizou.

De acordo com o presidente do Sindiplasc, Djalma Velho de Azevedo, o objetivo do projeto é formar cidadãos mais conscientes com relação à sustentabilidade, transmitindo informações que permitam identificar que reciclar é muito mais do que simplesmente separar os resíduos. “Tudo é reciclável. O que precisamos é conscientizar as pessoas e os governos para encontrar maneiras para a reciclagem, pois alguns materiais acabam não sendo reciclados pela inviabilidade econômica”, destacou.

O vice-presidente regional Oeste da FIESC, Waldemar Schmitz, ressaltou que a Federação apoia o projeto devido à importância de investir na educação e formar jovens conscientes, com a cultura de cuidar do meio onde vivemos. “Estamos oportunizando conhecer a indústria e a forma como acontece o trabalho. Além do conhecimento, os alunos estão sendo preparados para a vida, uma geração que no futuro vai estar no mercado de trabalho com um olhar para o mundo de forma consciente”, salientou.

O PROJETO

O Sindiplasc na Escola foi criado em 2016 com o objetivo de contribuir na formação de cidadãos mais conscientes com relação à sustentabilidade. Neste ano, serão desenvolvidas quatro etapas. A primeira foi de orientação e acompanhamento, com trabalhos em sala de aula sobre reciclagem, meio ambiente, poluição, deveres e direitos do cidadão e leis ambientais. A segunda etapa foi de mobilização e integração com a arrecadação das tampas de polipropileno. A terceira foi a premiação e a última etapa será a socialização dos resultados em reunião da Vice-Presidência Oeste da FIESC, em novembro, com participação de alunos, pais e direção da escola. (MB Comunicação)