Quando decidi testar a intolerância a lactose

0
819

Mais uma semana que chegou e por aqui estamos na corrida, entre produção de pães de queijo sem lácteos, pães e bolos sem glúten para clientes queridos! No último final de semana tivemos um jantar em casa com um querido casal de amigos e eu resolvi fazer o primeiro teste para verificar se a intolerância a lactose dos meninos já passou. Eles vão fazer três anos e fazem praticamente dois anos que eles estão sem nada de lactose, utilizando pouquíssimos alimentos industrializados “lacfree”, já que a grande parte da alimentação nossa é sem leite.

Então, nesse jantar decidi fazer uma torta salgada recheada que já fiz várias vezes. Ela é tradicionalmente sem glúten e sem leite, mas resolvi adicionar à massa um pouco de queijo ralado. A torta é grande e coloquei menos de meia xícara de queijo. Também comecei pelo queijo que, pelo processo de produção, já perde um pouco da lactose. É bem melhor começar com produtos assim do que diretamente com leite. Durante todo o dia, os gêmeos tiveram uma alimentação tradicional sem nada de furos relacionados ao glúten, para que eu tivesse uma certeza sobre esse teste.

Jantamos e eles aproveitaram muito a torta que fica muito saborosa, com a massa fofinha, com farinhas saudáveis e recheio de frango. Nesse dia, os meninos dormiram um pouco mais tarde do que o normal, já que tínhamos a visita dos amigos. Depois de umas duas horas de sono, um deles acordou chorando muito, reclamando de dor no pé. Porém, quando mexíamos e fazíamos massagem ele não reclamava de dor e começamos a perceber que soltava muitos puns. Voltou a dormir, mas depois de mais um tempo acordou novamente aos prantos reclamando da tal da dor no pé. Com o choro, acabou acordando o irmão que também chorava bastante. Os dois continuavam com muitos puns durante toda a noite.

Para mim, esse já é um grande sinal de que a intolerância a lactose continua firme e forte, já que não fiquei convencida da tal da dor no pé, e o dia havia sido tranquilo, não caíram, nem mesmo se bateram. Na segunda-feira, ao acordá-los para a escola, eu perguntei se à noite eles tiveram dor na barriga e os dois afirmaram que sim. Então, essa minha suspeita foi confirmada. Eu continuarei com a dieta sem lactose, o que não é difícil aqui, porque os alimentos produzidos em casa todos são sem leite, então naturalmente sem lactose. Se a intolerância já tivesse passado, facilitaria quando saímos de casa.

O que os artigos científicos falam é que têm crianças que com dois anos de dieta já podem não ter mais a intolerância a lactose, mas isso não é regra. Inclusive há crianças que podem ficar intolerantes por toda a vida. Então depende de cada corpo e como os meninos são celíacos, o intestino deles é mais sensível, mesmo com a dieta restrita. Por isso, seguimos com a nossa dieta sem lactose e sem glúten, que não é porque é restritiva que não é deliciosa, ao contrário, é muito saborosa!

E você, já passou por situações semelhantes? Tem alguma criança com intolerância a lactose que já passou por essa fase? Vem dividir suas experiências!

 

Compartilhar
Notícia anteriorDois mitos sobre Marketing de Conteúdo
Próxima noticiaRegião da Amai recebe formação da Escola do Legislativo de Santa Catarina
Larissa Damian
Larissa é jornalista. Atuou em diversas empresas da área de comunicação até 2014, quando decidiu dedicar-se aos filhos Arthur e Benício, gêmeos, intolerantes ao glúten, à lactose e alérgicos a proteína do leite de vaca. Na busca pela melhor alimentação para os filhos criou a LaEmília Cozinha Funcional, especializada em alimentos próprios para quem tem essa restrição alimentar.