Portal Garagem – Em breve

Xanxerê- O domingo (23) foi de festa no Bairro Matinho, em comemoração ao padroeiro São Cristóvão, que também é o protetor dos motoristas. O padre Nilton Tenutti, que conduziu a celebração na comunidade, explica a relação entre o santo e os condutores de veículos. “A história diz que como São Cristóvão era um homem muito forte, ele auxiliava as pessoas a fazerem a travessia de um rio. A imagem tem um menino nos ombros, por que uma vez, um menino pediu que São Cristóvão o levasse para o outro lado do rio. Ao chegar na metade da travessia sentiu um peso muito grande, que quase não conseguia caminhar, então, quando atingiu o outro lado, ele perguntou: ‘porque tu pesas tanto?’ e o menino respondeu: ‘é que eu carrego nos ombros o peso do mundo’. Então, São Cristóvão, como é aquele que ajuda e conduz os que fazem a travessia, tornou-se o padroeiro dos motoristas, que também atravessam o Brasil, viajando e transportando as pessoas e a produção”.

Na celebração, o padre Nilton percebeu a devoção das pessoas, e ressalta acreditar que muitos andam nas estradas e por isso pedem a proteção de São Cristóvão, para que ele os livrem de acidentes e os conduzam nas estradas da vida.

Para os festejos, um grupo de assadores, coordenado por Sérgio Gasparini, iniciou os trabalhos às 5 horas, com a arrumação das carnes nos espetos e com as pesagens. Conforme ele, entre porco e gado, serão 1.800kg de carne, que poderão servir até 1.500 pessoas. No total, a organização dos trabalhos envolveu cerca de 120 pessoas.

O coordenador geral da Festa, Jucimar Zatta, ressalta que após a missa e a procissão que saiu da Igreja Matriz, houve a bênção dos carros. Ao meio dia terá uma churrascada e a tarde os participantes poderão se divertir com muitos jogos e baile com o grupo “Os Campos”. De acordo com Zatta, o centro comunitário do bairro está preparado para receber cerca de 800 pessoas de forma confortável para os festejos.

Compartilhar
Notícia anteriorFesta Julina movimenta o Parque da Femi
Próxima noticiaBanda do Bucha, uma “tropa de teimosos”
Nileiza Durand
Jornalista formada pela Universidade Católica de Pelotas-RS, no ano 2000, com especialização em Comunicação para o Terceiro Milênio, pela Pontifícia Universadade Católica-PUC do Paraná, em 2004.