Portal Garagem – Em breve

Xanxerê- Além do velho e bom cobertor, é preciso buscar alternativas para enfrentar as baixas temperaturas que estão fazendo na região. O artesão da Oficina do Pancho, Francisco Enrique Andrade, oferece uma opção de aquecedor ecológico, que promete ser prática e charmosa, podendo ser transportada para qualquer local da casa.

Segundo Francisco, o aquecedor ecológico pode ser feito com diferentes madeiras, utilizando desde o estilo mais rústico até o mais sofisticado. A bacia, onde é acesa a chama, é feita de ferro fundido.  “Inclusive, tenho um tronco de árvore que é possível produzir o aquecedor, ficando com uma aparência ainda mais rústica, e eu também tenho a ideia de produzir em formato arredondado, além de também poder utilizar concreto, madeira e ferro”, relata, ele que aguarda para diversificar na produção, conforme forem feitas as encomendas.

Para manter o fogo aceso, o artesão relata que é utilizado o álcool etanol. “De 200 a 300 ml para 20 até 30 minutos de fogo, e esquenta muito bem o ambiente”. De acordo com ele, o produto não produz fumaça nem cheiro, e o ar não fica contaminado. “Somente quando está no final, quando seca o ferro, é possível perceber um pouco do cheiro do ferro quente, isso quando termina de consumir o álcool”.

Mesmo sem ter uma imponente lareira ou o tradicional fogão à lenha, com custo baixo, em média R$420,00, é possível manter uma temperatura agradável, com a vantagem de que o aquecedor pode ser levado para qualquer peça da casa, pois suas medidas são, em média, 50 centímetros de comprimento por 25 a 30 centímetros de largura, e altura de 20 a 25 centímetros. “O aquecedor consegue concentrar bem o calor e se mantiver o ambiente fechado, com cerca de 30 minutos aceso, o calor se expande e ficará com uma temperatura muito agradável”.

O reservatório para o combustível tem uma capacidade de até dois litros, dependendo do tamanho definido pelo consumidor, mas considerando o modelo que o artesão possui em sua própria casa, costuma utilizá-lo com até 300 ml, por considerar o suficiente para o aquecimento.

Como qualquer aparelho que oferece aquecimento, Francisco observa que são necessários certos cuidados para que não ocorram incidentes, entretanto, o considera seguro, podendo até mesmo incluir nas laterais vidro temperado. “Além de decorar, evita, de repente, que uma criança, no momento de descuido dos adultos, possa colocar a mão e se queimar”.