Portal Garagem – Em breve

Brasília – Às vésperas de uma eleição presidencial e para os governos dos 27 Estados brasileiros, o Ministério da Educação-MEC divulgou, nesta quinta-feira (30), os dados do Sistema de Avaliação da Educação Básica (Saeb) 2017, que apontam que 7 em cada 10 alunos do terceiro ano do ensino médio foram avaliados com desempenho insuficiente nas matérias de português e matemática.

A situação fica ainda mais lastimável quando os dados mostram que dos 71,67% dos alunos com nível insuficiente em matemática, 23% estão no nível zero, o mais baixo da escala de proficiência. Em português, 70,88% dos alunos têm nível insuficiente de aprendizado, sendo que 23,9% estão no nível zero, o mais baixo. Apenas 4% dos estudantes desta etapa do ensino tem conhecimento adequado nestas disciplinas.

O Saeb é um sistema utilizado pelo governo federal, a cada dois anos, para medir a aprendizagem dos alunos ao fim de cada etapa de ensino: ao 5º e 9º anos do ensino fundamental e 3º ano do ensino médio. O sistema é composto pelas médias de proficiências em português e matemática extraídas da Prova Brasil, e pelo Índice de Desenvolvimento da Educação Básica (Ideb) que ainda não foi divulgado.

Se avaliada a série histórica do Saeb, é possível notar a estagnação do ensino médio. Houve pequeno incremento nas médias de proficiência em língua portuguesa desde 2009. Nesta edição do Saeb, a nota foi de 268 pontos, um ponto a mais do que o registrado em 2009.

Em matemática, o cenário do ensino médio é ainda pior: houve queda em relação ao registrado em 2009. Naquele ano, a média de matemática do ensino médio era de 275 pontos, e em 2017, caiu para 270.

Ao analisar os dados, o MEC apontou que a diferença nos resultados de aprendizagens entre os concluintes do ensino médio e o ensino fundamental é de 10 pontos em língua portuguesa e 12 em matemática. Para Rossieli Soares, Ministro da Educação, o ensino médio “não está agregando” conhecimento aos brasileiros. O Ministro ainda complementa que “Estamos realmente com o ensino médio falido. E resultados muito ruins.”

É o momento para os candidatos refletirem sobre seus programas de governo, avaliando as mudanças que são urgentes para tirar a educação brasileira do fundo do poço.

Os números na prática

Do ponto de vista pedagógico, os números do ensino médio significam que:

em português – a maioria dos estudantes brasileiros não consegue localizar informações explícitas em artigos de opinião ou em resumos, por exemplo.

em matemática – a maioria dos estudantes não é capaz de resolver problemas com operações fundamentais com números naturais ou reconhecer o gráfico de função a partir de valores fornecidos em um texto.

Estas habilidades fazem parte das matrizes de referência do MEC e são esperadas em estudantes classificados em níveis proficiência superiores ao insuficiente.

‘Mais escolaridade, sem aprendizagem’

O diretor do Instituto Ayrton Senna, Mozart Neves Ramos, afirma que o Brasil está aumentando a escolaridade, mas sem aprendizagem. “Os ganhos dos anos iniciais não são aproveitados nas etapas seguintes, não há uma aprendizagem associada. Nos anos iniciais os alunos têm no máximo dois professores por turma, quando ingressa nos finais começa a ter o vínculo diversificado com professores divididos por disciplina. O processo se torna mais complexo, há uma exigência maior da formação do professor que precisa dialogar com o chão da escola.”

Fonte: G1 – Jornal O Globo