Ferramentas de Gestão Empresarial no Excel

Xanxerê- O haitiano Louibenson Thermora, que está em Xanxerê há sete meses e durante os seis primeiros trabalhou como pedreiro, encontrou na amiga Maria Ivanilce de Mello Damarat, e em seu Projeto Música em Ação, a chance de voltar a exercer a profissão que tinha anteriormente em seu país: professor de música. Louibenson, que hoje auxilia o trabalho dando aula de flauta doce, relata que no Haiti estudou música, frequentou curso superior e se preparou para seguir a profissão, que colocou em prática durante três anos, antes de escolher vir para o Brasil. “Quando eu cheguei aqui no Brasil, fui para Pato Branco, morei lá por dois meses, e depois vim para Xanxerê, onde consegui trabalho como pedreiro, mas depois de seis meses acabou, e agora, tenho a oportunidade de voltar a ensinar música, o que me deixa muito feliz”.

Louibenson hoje mora com uma irmã, uma prima e mais dois amigos, e conta que no Haiti, teve três professores que, ao longo de nove anos, lhe ensinaram música. Então, agora, transmitir o que sabe para seus alunos é um grande prazer. Como ainda está aprendendo a língua portuguesa, o haitiano explica que muitas vezes, existe uma troca entre ele e os estudantes. “Eles me ajudam e eu ajudo eles”, observa.

Por enquanto, o trabalho de Louibenson como professor ainda não é o suficiente para seu sustento, mas o projeto Música em Ação abriu novas oportunidades e, no próximo mês, o haitiano coordenará uma turma de alunos no Colégio La Salle. “Eu vou abrir uma turma, bem grande, em que darei aula de trompete, trombone, clarinete, saxofone, soprano alto, tenor, flauta doce e transversal”, comemora. A professora e coordenadora do Projeto Música em Ação, Maria Ivanilce de Mello Damarat, lembra que conheceu o professor Louibenson na escola da professora voluntária Karla Tenório Correia da Silva, que ensina a língua portuguesa para haitianos moradores de Xanxerê. “Conversamos e ele relatou que era professor lá no Haiti, inclusive, um professor muito qualificado, toca vários tipos de instrumentos e é um ótimo maestro, então, como ele estava desempregado, aproveitei a oportunidade e trouxe ele para colaborar com o projeto”.

O Projeto Música em Ação iniciou no mês de junho deste ano e prosseguirá até fevereiro de 2018, com recursos da Lei de Incentivo à Cultura, aprovado pela Prefeitura. As aulas oferecidas de forma gratuita atendem cerca de 200 alunos, de nove a 22 anos de idade, que aprendem instrumentos como flauta doce, escaleta, teclado, violino, violoncelo e também canto coral.

A professora Maria, que é formada em letras, mas buscou profissionalização na área da música, relata que o projeto começou a ser desenvolvido há três anos, com o objetivo de atender os jovens de Xanxerê. “Queremos profissionalizar os jovens no canto e nos instrumentos. Várias técnicas vocais são trabalhadas, o que ajuda em sala de aula na hora da apresentação de um trabalho, na postura, além de auxiliar no aprendizado da respiração correta e no desenvolvimento do raciocínio rápido”.

As aulas acontecem no auditório do Centro Comunitário da Igreja Matriz, nas segundas-feiras, durante todo o dia e noite, e nas sextas-feiras, à tarde, o grupo ocupa a sala dos Alcóolicos Anônimos, no mesmo prédio. Com o valor arrecadado com o projeto, cerca de R$19mil, foram adquiridos todos os instrumentos utilizados para o aprendizado dos jovens, que frequentam a escola de forma gratuita. Sobre novas vagas, Maria diz que para as aulas com instrumentos já foram todas preenchidas, mas para os interessados em participar do coral, ainda há disponibilidade. Além da própria Maria e do professor Louibenson, o projeto também conta com o trabalho da professora Ana Clara, que tem formação em música.

Em novembro deste ano, uma apresentação será realizada como forma de mostrar o resultado do trabalho.