Ferramentas de Gestão Empresarial no Excel

 

Xanxerê – Muita discussão envolveu dois projetos polêmicos na sessão da Câmara de Vereadores de Xanxerê em sessão ordinária realizada na noite de quarta-feira (06). A implantação do IPTU progressivo, que representaria um aumento substancial no imposto de diversas propriedades do município, e o aumento da Taxa de Coleta de Lixo esquentaram o debate.

Na votação dos projetos os vereadores do PT, Adriano de Martini e Lenoir Tiecher, e do PSD, Ricardo Lira da Costa,  votaram a favor, enquanto que os vereadores de oposição, Wilson Martins dos Santos (PSDB), Vilson Piccoli (PMDB), Nathan Moreira (DEM) e João Paulo Menegatti (PTB), se posicionaram contra. Por 4 votos a 3 os projetos foram rejeitados em primeira votação e na próxima segunda-feira, dia 11, voltam a discussão para a segunda votação.

Agora, os vereadores de oposição tentarão convencer um voto da base aliada a mudar de lado para garantir a rejeição na sessão da próxima segunda-feira, já que possivelmente terá o retorno do líder do prefeito, que não estava presente para a primeira votação.

Para o vereador Wilson Martins dos Santos alguns aspectos formais dos projetos estariam em desacordo com a lei. “Nenhum deles, por exemplo, está vindo com o estudo de impacto orçamentário, determinado pela Lei de Responsabilidade Fiscal. Estes projetos podem ser alvo de Ação Direta de Inconstitucionalidade e isso é um dos motivos que estamos sendo contra”, declarou.

O vereador Nathan Moreira (DEM), considerou que este não é o momento adequado para se autorizar o aumento no IPTU e na Cobrança de Taxa de Lixo, e citou as altas de impostos dos combustíveis implantados pelo governo federal. “Não podemos permitir nenhum tipo de aumento nesse momento, pois enfrentamos uma grande crise econômica. Não podemos permitir aumento de IPTU, ou qualquer tipo de reajuste que afete negativamente a população”, afirmou.

No mesmo sentido, o vereador Vilson Piccoli complementou dizendo que, “o município pode seguir o exemplo do governo do estado que cortou na carne, diminuindo cargos, para evitar o aumento de impostos”, declarou.

O vereador João Paulo Menegatti foi mais duro contra os projetos, “para mim, a aprovação destes projetos será um verdadeiro roubo a população. Não podemos permitir que a Administração Municipal ataque o bolso da população para manter cargos comissionados. Isto é um absurdo e seremos sempre contra estes projetos”, finalizou o vereador.