Xanxerê- Mais uma edição da Caminhada da Acessibilidade, organizada pelo Conselho Municipal dos Direitos da Pessoa com Deficiência (Comde) de Xanxerê, Associação de Pais e Amigos dos Excepcionais de Xanxerê (Apae), Associação de Pais e Amigos dos Deficientes Auditivos e Visuais de Xanxerê (Apadavix) e Fraternidade Cristã da Pessoa com Deficiência de Xanxerê (FCDX), será realizada na quinta-feira, dia 21, data em que se comemora o Dia Nacional de Defesa dos Direitos da Pessoa com Deficiência. Em Xanxerê, a concentração dos participantes iniciará às 13h30, na Praça Tiradentes, e a saída está prevista para às 14 horas. “Em comemoração a esse dia, há oito anos o Comde e entidades que atendem as pessoas com deficiência em Xanxerê, fazem essa caminhada para conscientização, queda de barreiras arquitetônicas e, agora, atitudinais”, argumenta a presidente do Comde, Kátia Battisti Collelo

Conforme ela, neste ano o percurso será mais longo, com novo trajeto, sendo que os participantes seguirão da Praça, pela Rua Rui Barbosa, rua da Câmara de Vereadores, até a esquina da Rua Independência, descem até a Caixa Econômica Federal, vão até o Bradesco e retornam à Praça Tiradentes pela Avenida Brasil.  “As pessoas que se sentirem cansadas poderão retornar para a Praça pela Rua José de Miranda Ramos”.

Uma das ações, durante a atividade, será a “caminhada dos sentidos”. Kátia explica que durante o percurso, algumas pessoas serão convidadas a vendarem os olhos ou irem de cadeira de rodas para que elas possam se colocar no lugar do outro. “Para que elas possam sentir o que é ter uma deficiência, ter uma mobilidade reduzida, perceber os obstáculos que a cidade tem e avaliar o que poderia ser feito de diferente. Na verdade, o objetivo é convidar para que se coloquem no lugar do outro”. No total, serão 15 vendas e quatro ou cinco cadeiras de rodas que ficarão disponíveis para que voluntários possam passar pela experiência.

Kátia argumenta que há oito anos, a grande dificuldade eram as barreiras arquitetônicas, com a falta de boas condições das calçadas, de faixa guia para deficiente visual, acesso nos estabelecimentos comerciais, mas, hoje, a maior barreira é a atitudinal. “Percebemos que Xanxerê avançou muito, mas ainda existem situações que precisam melhorar, ainda não chegamos no ideal. E, hoje, o principal problema é sobre a atitude, o preconceito em relação a não acreditar no potencial que as pessoas com deficiência possuem”.

Além das três entidades que atendem as pessoas com deficiência no município, são convidadas as escolas das redes Estadual e Municipal, além da comunidade em geral. “Convidamos, geralmente, uma turma ou duas do ensino regular que tenham alunos com algum tipo de deficiência e pessoas que sejam simpatizante da causa, ou empresas que possuam colaboradores que tenham deficiência, autoridades, Câmara de Vereadores e Prefeitura”.

Conforme Kátia, neste ano, os convidados também receberam a proposta de levar um prato, para que no fim da caminhada possam fazer um lanche compartilhado.  “Em frente ao centro comunitário da igreja matriz, no estacionamento, ficará à disposição um local onde será colocado o lanche, que sugerimos que seja bolo, sanduíche ou frutas, para trabalhar com as crianças a questão da partilha”. Após o lanche, o Sesc oferecerá atividades coletivas.