Ferramentas de Gestão Empresarial no Excel

Brasília – Governo Federal e caminhoneiros chegam a um acordo e estabelecem uma trégua de 15 dias na greve que já estava no seu quarto dia, após uma reunião de mais de seis horas com os ministros Eliseu Padilha, da Casa Civil, Eduardo Guardia, da Fazenda, Valter Casimiro, dos Transportes e Carlos Marun, da Secretaria de Governo.

Das 11 entidades que participaram da reunião, apenas duas, a União Nacional dos Caminhoneiros-Unicam e a Associação Brasileira dos Caminhoneiros-Abcam, não assinaram o acordo.

De acordo com a proposta, ao fim do prazo de 15 dias uma nova reunião será realizada com os representantes do movimento dos caminhoneiros.

Em entrevista no início da noite desta quinta-feira (24), o ministro Carlos Marun afirmou que o diesel terá seu preço congelado por 30 dias, com a manutenção da redução de 10% de seu preço nas refinarias. Os custos da primeira quinzena com a redução, estimados em R$ 350 milhões, serão arcados pela estatal. As despesas dos 15 dias restantes ficarão com a União como compensação para a petrolífera.

O ministro Eliseu Padilha disse que a qualquer momento, após anunciada a decisão, haverá normalização da situação e “o movimento dos caminhoneiros começará a ser desativado”.

Padilha mencionou que a greve estava causando dificuldades na entrega de medicamentos a hospitais e de produtos aos supermercados e fez um apelo aos manifestantes: “Nós precisamos que todos vocês, caminhoneiros, retomem a atividade. O Brasil precisa de vocês”, afirmou.

O presidente da Confederação Nacional dos Transportadores Autônomos (CNTA), Diumar Bueno, disse que vai repassar à categoria o acordo firmado com o governo para definir o fim da greve. “A categoria vai analisar, e o entendimento é deles, se isso foi suficiente para eles ou não”, declarou.

Ele também disse que não pode “dimensionar” quanto tempo levará para o movimento ser desmobilizado. “Acho que os caminhoneiros vão ter a responsabilidade, ter o entendimento do que foi conquistado para eles e começar uma desmobilização de forma pausada, organizada, sem correria. Não posso precisar quanto tempo vai levar. Acho que deveria encerrar a partir de amanhã (25) de manhã”, afirmou.

Fonte: G1 – JB

Foto: Blog do Caminhoneiro