consultoria vsd

A palestra faz parte do projeto de extensão LabChecking, o Laboratório de alfabetização midiática e informacional, desenvolvido pelo curso de Jornalismo da Unochapecó

Chapecó- A divulgação de notícias falsas na internet representa um perigo que pode gerar consequências para toda a sociedade. Para promover a conscientização sobre o assunto e combater esse fenômeno, o promotor de Justiça Júlio Fumo Fernandes palestrou para os alunos do terceiro ano do ensino médio da escola Tancredo Neves, em Chapecó.

“A iniciativa é muito importante para o momento. Esse assunto precisa ser debatido cada vez mais, principalmente com o público jovem, que precisa ser conscientizado e alertado quanto ao uso adequado da internet e das redes sociais”, comenta o promotor de Justiça, que é titular da 11ª PJ da Comarca de Chapecó.

A palestra, que ocorreu na última sexta-feira (09, faz parte do projeto de extensão LabChecking, o Laboratório de alfabetização midiática e informacional, desenvolvido pelo curso de Jornalismo da Universidade Comunitária da Região de Chapecó (Unochapecó). O objetivo é qualificar estudantes do ensino médio de escolas públicas para a checagem da veracidade dos conteúdos publicados na internet, principalmente nas redes sociais.

“É fundamental que, enquanto universidade, nós tenhamos essa função, esse olhar para a sociedade, para a comunidade, estando atentos ao que ocorre e tentando encontrar formas de solucionar questões”, explicou a coordenadora do projeto, Ana Bourscheid. “A proposta é trabalhar para que os alunos desenvolvam senso crítico em relação ao que consomem, produzem e compartilham nas redes sociais online”, completou.

Na conversa com os alunos, o promotor de Justiça Júlio Fumo Fernandes mostrou cinco formas de se identificar uma notícia falsa: analisar se o título é muito alarmante, chamando a atenção; verificar se a notícia vem com um pedido de compartilhamento; observar se há erros de português; checar as fontes, se o site é conhecido; e analisar se os dados apresentados são utilizados de forma coerente e se fazem sentido.

“Tratamos também da responsabilidade e dos limites éticos do uso da internet. É importante mostrar para os jovens que a internet não é um mundo sem lei, e que dá para rastrear o que se faz”, afirmou Júlio Fernandes.

Por meio de palestras educativas e oficinas práticas, o LabChecking debate o que são fake news, como são produzidas, quais os objetivos de suas produções, suas implicâncias jurídicas e sociais e as consequências que trazem tanto para quem produz como para quem compartilha. As atividades são desenvolvidas em encontros semanais com alunos das escolas Tancredo de Almeida Neves, no bairro Efapi, e Coronel Laba Ribas, no bairro Passo dos Fortes.

O encontro foi o nono do Projeto, que foi aprovado via Fundação de Apoio à Pesquisa e a Extensão (Fapex). Além do MPSC, o Núcleo de Tecnologias Educacionais (NTE) da Gerência Regional de Educação (Gered) de Chapecó também tem parceria com o LabChecking. (MPSC)