Chapecó intensifica trabalho de prevenção e combate à dengue

0
38
Ferramentas de Gestão Empresarial no Excel

Ação de orientação, eliminação de focos e limpeza acontece na região da Efapi.

Chapecó – Mais uma ação preventiva e de eliminação dos focos do mosquito da dengue em Chapecó aconteceu no último sábado (16-05), concentrada no bairro Efapi. O trabalho contempla as atividades permanentes de prevenção, limpeza urbana e combate à doença em Chapecó, e contou com a participação da Secretaria de Saúde, por meio da Vigilância Ambiental, e da Superintendência Regional da Efapi.

Foram realizadas 90 visitas domiciliares de orientação, eliminação mecânica dos possíveis depósitos do Aedes Aegipty e tratamento; mais 20 visitas para cobertura de caixas d’água, verificação de cisternas, colocação de micro tela e tratamento. O trabalho envolveu 20 Agentes de Combate às Endemias.

E na manhã desta segunda-feira (18-05), equipes da Superintendência da Efapi iniciaram o recolhimento dos entulhos, resultantes das visitas realizadas no sábado. O trabalho envolve homens e máquinas e se deve estende até esta terça-feira (19-05). “Só hoje pela manhã recolhemos em torno de sete cargas de resíduos, que equivalem a aproximadamente 8,5 toneladas”, repassou o Superintendente da Efapi, Varones Drabach.

Números da doença em Chapecó

Chapecó registrou neste ano, 90 casos confirmados de dengue por meio de exames do LACEN – Laboratório Central de Saúde Pública. Dos 90 casos, 77 são autóctones, 03 importados e 10 estão em investigação do local de infecção. Durante o ano de 2020, foram investigados 322 casos de dengue, destes 199 casos negativos e 33 estão aguardando resultado de exames.

O pedido da Secretaria de Saúde é para que a população receba os Agentes de Combate as Endemias e siga as orientações repassadas pelas equipes. “É necessário eliminar os depósitos que possam acumular água e fazer uma vistoria no terreno para recolher todos os possíveis criadouros. Tampas, garrafas, potes, vidros, enfim, tudo precisa ser recolhido, descartado adequadamente ou armazenado em local coberto”, reforçou a Secretária de Saúde, Maristela Bisognin Santi Rocha.

Atenção aos Sintomas

A população também precisa usar repelente, estar atenta aos sintomas, e procurar o serviço de saúde mais próximo. Os principais sintomas da dengue são:

  • Febre alta > 38.5ºC.
  • Dores musculares intensas.
  • Dor ao movimentar os olhos.
  • Mal estar.
  • Falta de apetite.
  • Dor de cabeça.
  • Manchas vermelhas no corpo.

Outras dicas importantes:

  • Cuidado especial no armazenamento e destinação dos resíduos, mantendo-os em recipiente fechado e disponibilizando-o para recolhimento pela Limpeza Urbana na frequência usual;
  • Jamais descarte o lixo ou qualquer outro material que possa acumular água no quintal de casa, no quintal de vizinhos, na rua ou em lotes vagos;
  • Mantenha a caixa d’água sempre limpa e totalmente tampada. Além disso, mantenha as calhas livres de entupimentos para evitar represamento de água;
  • Elimine os pratinhos de vasos de plantas; caso não seja possível mantenha-os limpos e escovados pelo menos três vezes ao dia;
  • Ao trocar os pneus, deixe os velhos na borracharia, para que o destino adequado seja dado a eles;
  • Mantenha limpos e escovados os bebedouros de animais domésticos; a água deve ser trocada diariamente; mantenha piscinas sempre em uso e devidamente tratadas;
  • Atenção especial ao sair de férias para que esses cuidados estejam garantidos na ausência do morador.
  • Receba os Agentes de Combate as Endemias e siga as orientações repassadas pela equipe.

Histórico de casos registrados ou investigados em Chapecó

A situação epidemiológica da Dengue em Chapecó registrou em 2016, 3.127 casos investigados de dengue, com confirmação de 820 casos. Já em 2017 foram investigados 507 casos, com um caso importado. Em 2018 foram investigados 227 casos, todos negativos. Em 2019, já foram registrados 324 casos, destes 305 negativos e 18 confirmados.

Os casos de Zika registrados em 2016 foram 38 casos e 03 positivos. Em 2017, 03 casos foram investigados e tiveram resultados negativos. Em 2018, teve 01 caso negativo e 02 aguardam confirmação. Em 2019, 06 casos suspeitos foram investigados, e um aguarda resultado de exames. Em 2020, 07 casos foram registrados, destes 06 negativos e 01 aguardando resultado de exame.

Os números de Chikungunya são em 2016 foram investigados 166 casos, com confirmação de quatro casos. Em 2017, foram 15 casos investigados com 02 confirmações. Em 2018, 08 casos negativos foram registrados. Em 2019, 11 casos foram registrados, 10 negativos e um confirmado. Em 2020, 04 casos da doença foram registrados, 02 negativos e 02 aguardam resultado de exame.